quinta-feira, 19 de Janeiro de 2012

Evolução humana - Filogénese e Ontogénese

O ser humano é o resultado de uma herança genética e da influência do meio, bem como das experiências que vivencia, e tem um poder muito grande de aprendizagem. Porém, cada indivíduo evolui de uma forma distinta, pela maneira como atribui significados às suas experiências e pelas decisões que toma. O conceito de evolução relaciona-se com duas ciências: filogénese e ontogénese. A filogénese estuda essencialmente a evolução da espécie, bem como a sua origem e desenvolvimento. A ontogénese ocupa-se do estudo da evolução de cada indivíduo.

Tendo como base a sua teoria da evolução das espécies, Charles Darwin admitiu que existiam diferenças entre os seres humanos, apesar de pertencerem à mesma espécie, pois possuíam características que os distinguiam uns dos outros. Ora, na perspetiva de Darwin, a seleção natural seria a principal responsável pela adaptação e pela especialização dos seres vivos, ou seja, seria o fator mais determinante na evolução.

Por outro lado, Jean Piaget defendia que a capacidade de raciocinar do ser humano resultaria de um processo dinâmico adquirido ao longo da vida, que seria o produto das suas experiências, perceções e da sua relação com o meio ambiente. 

Para além destas duas ciências, Vítor da Fonseca acrescenta ainda um outro aspeto: a retrogénese. Ou seja, esta teoria afirma que os idosos sofrem um processo de involução, no qual a perda de controlo percetivo e corporal determina esse estádio da vida. 

Ao longo do tempo, os seres vivos enfrentam novas realidades ou situações que exigem uma adaptação. E é neste sentido que entra a perspetiva epigenética, que defende que o desenvolvimento é o fruto de uma interação entre a informação genética e o meio ambiente.

Como tal, podemos concluir que o facto de o ser humano possuir um programa genético aberto é algo muito positivo, uma vez que proporciona diferentes aprendizagens, pois desenvolve a sua capacidade de imaginar soluções para os problemas que vão surgindo. Deste modo, o ser humano vai-se tornando mais especializado e complexo. O caráter inacabado do homem não é por isso a sua fragilidade, mas antes a razão da sua força.


Maria Oliveira

Sem comentários:

Enviar um comentário